Prefeitura Municipal de Bom Despacho

Atenção: as funções do site requerem que o Javascript esteja habilitado!
Ative-o e recarregue a página novamente.

Na primeira semana, operação Bom Samaritano retirou 10 moradores das ruas

Prefeitura Municipal de Bom Despacho

Moradores de rua embarcam em carros da Prefeitura dia 7 de janeiro

Em uma semana, a operação Bom Samaritano já retirou 10 moradores de rua da cidade. Ação é voltada para recuperar a dignidade da pessoa e resgatar seus vínculos familiares.
Das 14 pessoas abordadas pela operação Bom Samaritano, dez já foram retiradas e encaminhadas para seus destinos ou familiares. O caso mais simbólico é o de uma mulher no 5º mês de gravidez que residia na Praça da Estação e passava o dia bebendo e pedindo esmolas. Ela foi levada pela Prefeitura e entregue à sua família em Pompéu.
O trabalho da operação Bom Samaritano começa com a abordagem do morador de rua. Nessa abordagem, os assistentes identificam a pessoa e procuram saber qual é sua cidade de origem e onde está sua família. “Com essas informações a Secretaria de Desenvolvimento Social faz contato com os parentes visando resgatar os vínculos familiares do andarilho”, diz a secretária Rosimaire Cássia dos Santos

Se nenhum familiar for encontrado, a Secretaria aciona seus órgãos de assistência social (CRAS e CREAS) para receber o morador de rua e assisti-lo. Ao mesmo tempo, aciona também os órgãos assistenciais da cidade de destino ou de origem. Em seguida o andarilho é levado ou encaminhado em segurança até o local pretendido.

Equipes da Secretaria de Desenvolvimento Social continuam percorrendo a cidade para identificar a presença de andarilhos que chegam de fora.

Rosimaire lembra que o cidadão deve acionar a Prefeitura sempre que souber da existência de moradores de rua. As denúncias devem ser feitas pelo telefone 3521.3727. “É importante a pessoa dar o máximo de informações possíveis, como local, número de pessoas, existência de veículos envolvidos e a forma em que os andarilhos chegam, para que possamos investigar se é caso de assistência social ou de polícia, como a presença dos quadrilheiros”, afirmou Rosimaire.

Imprimir